Óculos de segurança com lentes graduadas necessitam de CA específico

I – Introdução

Trata-se de análise sobre o tema óculos de segurança com lentes graduadas para correção visual.

11 – Da Análise

Está previsto no Art. 166 da CLT a obrigatoriedade do fornecimento aos empregados, por parte da empresa, de equipamentos de proteção individual adequados ao risco e em perfeito estado de conservação e funcionamento, sempre que as medidas de ordem geral não oferecerem completa proteção contra os riscos de acidentes e danos à saúde.

Tal obrigação também está expressa no item 6.3 da NR··6 – Equipamento de Protecão Individual que dispõe:

6.3. A empresa é obrigada a fornecer aos empregados, gratuitamente, EPl adequado ao risco, em perfeito estado de conservação e funcionamento, nas seguintes circunstâncias:

  • sempre que as medidas de ordem geral não ofereçam completa proteção contra os riscos de acidentes do trabalho ou de doenças profissionais e do trabalho;
  • enquanto as medidas de proteção coletiva estiverem sendo implantadas; e.
  • para atender a situações de emergência.

Dessa forma, resta claro que para combater os riscos de acidentes e doenças relacionadas ao trabalho as medidas de ordem geral (proteção coletiva) de natureza organizacional e técnica são prioritárias, sendo que, quando estas medidas se revelarem insuficientes, impõe-se a necessidade da utilização de Equipamentos de Proteção Individual.

Nesse contexto, mesmo considerando a hierarquia das medidas de proteção, tem-se que em diversas atividades laborais existem riscos para 0s olhos dos trabalhadores, tais como, impactos de partículas e objetos volantes, poeiras em suspensão, agentes químicos e biológicos, respingos de liquidos. Portanto, a empresa é obrigada a fornecer óculos de segurança destinados à proteção ocular que forneçam proteção eficaz, adequada e que propicie o menor nível de desconforto possível.

Importante ponderar neste momento que quando uma empresa fabricante ou Importadora de EPI requer ao Ministério do Trabalho a emissão de um Certificado de Aprovação (CA) para óculos de segurança, esta deve apresentar laudos de ensaio laboratorial que atestem que o equipamento foi testado e aprovado conforme a Norma ANSI.Z.87.1/2003, estabelecida pela Portaria 121, de 30 de setembro de 2009, dentre outros documentos.

Saliente-se que os ensaios laboratoriais são realizados em óculos que possuem lentes planas e cujo CA é concedido para o conjunto lente/armação, não sendo possível a emissão de CA somente para a lente graduada.

Conforme censo de 2002 do IBGE, cerca de í6,6 milhões de brasileiros utilizam óculos com lentes corretivas. Desse universo, certamente uma quantidade considerável corresponde a trabalhadores que podem ter seus olhos expostos a riscos de acidentes e doenças caso não utilizem proteção adequada, ou seja, óculos de segurança com lentes graduadas (corretivas).

Conclusão

Face ao exposto, as empresas fabricantes ou importadoras de óculos de segurança que desejem comercializar óculos de segurança com lentes graduadas (corretivas), deverão obter o CA para o seu equipamento (conjunto composto por lente/armação), com o devido enquadramento de acordo com o Anexo I da NR-6, sendo este CA extensivo aos óculos com lentes graduadas, quando as mesmas forem confeccionadas pelos próprios fabricantes dos EPI originais.

Além disso, caso o fabricante ou importador de óculos de segurança (lente plana) portador de CA deseje, poderá autorizar Ótica(s) a confeccionar e montar Ientes graduadas em sua armação, devendo o fabricante/importador se responsabilizar por este equipamento.

Comentários desativados more...

A Allprot patrocina a Comenda de Honra ao Mérito de SST 2010

Comenda de Honra ao Mérito em SSTA Allprot patrocina a Comenda de Honra ao Mérito de SST 2010, prêmio concedido há mais de 30 anos, aos profissionais com atuação destacada na área, e reconhecido pelas mais conceituadas entidades do setor prevencionista e dos atuais Comendadores em SST.

“As melhores empresas em SST” é um prêmio concedido à empresas modelo em SST na opinião dos Comendadores em SST.

Conheça os profissionais que receberam a Comenda em 2010

Enfermeiros do Trabalho

  • Vera Maria Friedlander


Empresários do Setor

  • Ivens Paulo Dias da Silva
  • Luiz Couto
  • Salomão Keiner


Engenheiros de Segurança

  • Álvaro Zóchio
  • Armando A. Martins Campos
  • Carlos Alberto Garcia
  • Delcir José Pacífico Mendes
  • Jacques Sherique
  • José Nicodemus Pereira Lopes
  • Lucas de Paula Costa


Fisioterapeutas do Trabalho

  • Ruy Gallart de Menezes

Higienistas Ocupacionais

  • Gerrit Gruenzner
  • Luiz Augusto Damasceno Brasil
  • Maria Margarida T. Moreira Lima
  • Sérgio Colacioppo

Médicos do Trabalho

  • Álvaro Frigério Paulo
  • Casemiro Pereira Júnior
  • Daphnis Ferreira Souto
  • Eduardo Santino
  • Gilberto Madeira Peixoto
  • João Alberto Maeso Montes
  • Jorge Luiz Ramos Teixeira
  • Salim Amed

Técnicos de Segurança

  • Everaldo Inácio da Silva
  • José Posseibon
  • Bruno de Oliveira Sandrini
  • Luis Carlos Gabriel
  • João Augusto Ribeiro de Souza

Melhores Empresas em SST 2010 escolhidas pelos Comendadores

  • Agroindústria: Copersucar
  • Concessionária de Energia: CEMIG
  • Construção Civil: ODEBRECHT
  • Extrativa Mineral: USIMINAS
  • Montadoras de Veículos Automotores: PEUGEOT
  • Indústria Metalúrgica: CSN
  • Indústria Alimentícia: Unilever
  • Produtos Químicos: Brasken
  • Indústria Eletro-eletrônica: HP
  • Indústria Têxtil: Coats Corrente
  • Máquinas e Equipamentos: CATERPILAR







A importância de se medir a DNP.

A DNP, ou distância naso-pupilar, está entre as principais medidas da óptica e deve ser feita através de um instrumento chamado pupilômetro. A DNP mede o reflexo corneano, ou seja, o eixo visual do olho. É através desta medida que as lentes corretivas são centralizadas adequadamente nas armações.

A medição inadequada da DNP pode provocar sérios problemas de adaptação às lentes corretivas, principalmente em altos graus, lentes progressivas e adaptações especiais.

Quando há altas dioptrias envolvidas, o erro de centralização provoca efeitos prismáticos, que dificultam a adaptação às lentes. Nas crianças, estes efeitos podem prejudicar o desenvolvimento da visão.

Já em lentes multifocais, errar a DNP pode provocar problemas posturais no usuário, que precisará virar o rosto constantemente para conseguir enxergar com nitidez.

A forma correta de se medir a DNP é medir cada olho separadamente; isso porque nem sempre a DP (distância pupilar) total é dividida exatamente entre os dois olhos. Você normalmente irá encontrar DPs ligeiramente diferentes para cada lado. Exemplificando: Uma DNP de 60mm não necessariamente corresponderá a 30mm para cada olho. Você poderá encontrar 29mm para um olho e 31mm para outro. Por isso é sempre necessário verificar a DNP monocular.

Para verificar a DNP monocular siga o método abaixo:

Em lentes multifocais, remarque a lente para achar a cruz de montagem. Já em lentes unifocais, utilize o lensômetro para marcar o centro óptico da lente.

Seguindo a imagem abaixo, meça as distâncias “a”, “b” e a DP total.

gráfico de distância naso-pupilar

Em seguida, calcule ambas as DNPs monoculares utilizando a seguinte fórmula:

DNP do olho direito = (a+b)/2

DNP do olho esquerdo = DP total – DNP do olho direito

Através deste simples cálculo é possível confirmar com precisão as DNPs monoculares montadas.

E você, tem algo a acrescentar a esta matéria? Opine! Divulgue! Envie aos seus colegas.


Quer tirar dúvidas sobre Proteção Ocular?

Pergunte, informe, questione, discuta…tudo relativo a proteção dos olhos e seus equipamentos de proteção. Tipos de lentes, radiações, indicações de uso, normas…

Comentários desativados more...

  • Agenda

    dezembro 2018
    S T Q Q S S D
    « jun    
     12
    3456789
    10111213141516
    17181920212223
    24252627282930
    31  
  • Copyright © 1996-2010 ALLPROT. All rights reserved.
    iDream theme by Templates Next | Powered by WordPress